domingo, 3 de março de 2013


Ron Rhodes
A Questão Definida
O teólogo Walter Elwell resume o debate sobre a extensão da expiação desta forma: “Embora haja variações quanto aos modos básicos em que este assunto pode ser abordado, as escolhas resumem em duas: ou a morte de Cristo foi pretendida para assegurar a salvação para um número limitado ou a morte de Jesus foi pretendida para prover salvação para todos. A primeira concepção é algumas vezes chamada ‘expiação limitada’ pois Deus limitou o efeito da morte de Cristo a um número específico de pessoas eleitas, ou ‘redenção particular’ pois a redenção foi para um grupo particular de pessoas. A segunda concepção é algumas vezes referida como ‘expiação ilimitada’ ou ‘redenção geral’ pois Deus não limitou a morte redendora aos eleitos, mas permitiu que ela fosse para a humanidade em geral.”


EXPIAÇÃO LIMITADA
Definição da Expiação Limitada: “Uma referência à concepção que a morte expiatória de Cristo foi apenas para os eleitos.”
Louis Berkhof diz: “A posição reformada é que Cristo morreu com o propósito de real e seguramente salvar os eleitos, e somente os eleitos. Isto equivale a dizer que Ele morreu com o propósito de salvar somente aqueles a quem Ele de fato aplica os benefícios da Sua obra redentora.”


Passagens Típicas Oferecidas em Apoio à Expiação Limitada

Mt 1.21: “E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.”
Mt 20.28: “…o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.”
Mt 26.28: “Porque isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados.”
Jo 10.15: “…e dou a minha vida pelas ovelhas.”
At 20.28: “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.”
Ef 5.25: “Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela.”
Hb 9.28: “Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.”
Jo 15.13: “Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos.”


Argumentos Levantados em Favor da Expiação Limitada

A Bíblia fala de uma extensão limitada da expiação.
A Bíblia diz que Cristo morreu por um grupo específico de pessoas – “a igreja,” “Seu povo,” “Suas ovelhas.”
Louis Berkhof diz: “A Escritura qualifica repetidamente aqueles pelos quais Cristo entregou Sua vida de tal maneira que indica uma limitação muito definida. Aqueles por quem Ele sofreu e morreu são variadamente chamados Suas ‘ovelhas’, ‘minhas ovelhas’, Jo 10.11, 15, 26; Sua ‘igreja’, At 20.28; Ef 5.25-27; ‘o seu povo’, Mt 1.21; e ‘os eleitos’, Rm 8.32-35.”
Visto que os eleitos foram escolhidos antes da fundação do mundo, como pode ser dito honestamente que Cristo morreu por todos os homens? Em outras palavras, como poderia Cristo tencionar aquilo que em virtude de Sua onisciência Ele sabia que nunca viria a acontecer?
O estudioso reformado Charles Hodge explica o problema desta forma: “Se Deus desde a eternidade determinou salvar uma parte da raça humana e não outra, parece ser uma contradição dizer que o plano de salvação teve igual referência a ambas as partes; que o Pai enviou seu Filho para morrer por aqueles que Ele tinha predeterminado não salvar, verdadeiramente , e no mesmo sentido que Ele O entregou para aqueles que Ele tinha escolhido para fazer os herdeiros da salvação.”
O argumento parece ser que “teria sido um desperdício e uma falta de previsão da parte de Deus enviar Cristo para morrer por aqueles que Ele não tinha escolhido para salvação.”
É argumentado que a natureza da redenção é tal que, “quando paga e aceita, ela automaticamente liberta as pessoas por quem ela foi pretendida. Nenhuma obrigação adicional pode ser exigida deles. Agora, se a morte de Cristo foi um resgate para todos igualmente, e não somente para os eleitos, então deve ser o caso que todos são libertos pela obra do Espírito Santo.”
Alguns defensores da expiação limitada dizem que Cristo seria derrotado se Ele morreu por todos os homens e todos os homens não se salvam.
Se Cristo morreu por todas as pessoas, como os defensores da expiação ilimitada dizem, então Deus seria injusto se enviasse pessoas ao inferno por causa de seus próprios pecados.
É argumentado que “nenhum tribunal permite que o pagamento seja exigido duas vezes pelo mesmo crime, e Deus não faria isto também.”
Cristo pagou pelos pecados dos eleitos; os perdidos pagam por seus próprios pecados.
Visto que Cristo não orou por todos em Sua Oração Sacerdotal em João 17, mas somente pelos Seus, Cristo não deve ter morrido por todos.
É argumentando que visto que a intercessão é limitada na extensão, a expiação também deve ser.
Como Louis Berkhof coloca, “Por que limitaria Ele a Sua oração intercessória, se de fato pagou o preço por todos?”
Na Idada Média, estudiosos como Próspero de Aquitaine, Thomas Bradwardine, e John Staupitz ensinaram a expiação limitada. É alegado que, ainda que João Calvino não ensinou explicitamente a doutrina, ela aparece implícita em alguns de seus escritos. Os sucessores de Calvino então fizeram a expiação limitada explícita e a incluíram nas confissões de fé reformadas como os Cânones de Dort e a Confissão de Fé de Westminster.
Embora termos como “todos,” “mundo,” e “todo aquele que” são usados na Escritura em referência àqueles por quem Cristo morreu (por exemplo, Jo 3.16), os termos devem ser entendidos como fazendo referência aos eleitos. Em outras palavras:
“Todos” refere-se a “todos os eleitos” ou “todas as classes de homens (judeus e gentios).”
Louis Berkhof diz “a palavra ‘todos’ algumas vezes tem um sentido restrito na Escritura, denotando todos de uma classe particular, 1Co 15.22; Ef 1.23, ou todas as espécies de classes, Tt 2.11.”
O que a Bíblia quer dizer quando ela diz que Cristo é o “Salvador de todos os homens”? Charles Hodge responde: “O que quer dizer é que Ele é nosso Salvador, o Salvador dos homens antes que dos anjos, não dos judeus exclusivamente nem dos gentios apenas, não dos ricos ou dos pobres apenas, não dos justos apenas, mas também dos publicanos e pecadores….”
“Mundo” refere-se ao “mundo dos eleitos” ou a “pessoas sem distinção (judeus e gentios).”
Louis Berkhof diz que a posição da expiação ilimitada é baseada “no infundado pressuposto de que a palavra ‘mundo’… significa ‘todos os indivíduos que constituem a raça humana.’…Quando é empregado com referência aos homens, nem sempre inclui todos os homens, Jo 7.4; 12.19; 14.22; 18.20; Rm 11.12, 15.”
Berkhof também diz: “Há passagens que ensinam que Cristo morreu pelo mundo… Nas passagens referidas ela pode simplesmente servir para indicar que Cristo morreu, não meramente pelos judeus, mas pelas pessoas de todas as nações do mundo.”
Similarmente, a palavra “todo aquele que” é interpretado como “todo aquele dos eleitos.”
Tais termos universais simplesmente mostram que Jesus morreu por todos os homens sem distinção (isto é, todas as espécies de pessoas, e pessoas de entre judeus e gentios), não que Jesus morreu por todos os homens sem exceção (isto é, todo pecador perdido).


EXPIAÇÃO ILIMITADA
Definição de Expiação Ilimitada: “Uma referência à doutrina que a morte redendora de Cristo foi para todas as pessoas.”

Passagens Típicas Oferecidas em Apoio à Expiação Ilimitada
(Nota: Para que possam entender minha posição sobre estes poucos versos, eu acrescentei algum texto e citações expositivas de vários estudiosos bíblicos.)
Lc 19.10: “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.”
(O “perdido” parece referir-se ao mundo inteiro da humanidade perdida, não apenas aos eleitos perdidos.)
Jo 1.29: “No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: ‘Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.’”
O que é o “mundo” aqui? O exegeta B. F. Westcott diz: “A idéia fundamental de kosmos [mundo] em São João é a da soma dos seres criados que pertence à esfera da vida humana como um todo ordenado, considerado à parte de Deus… o mundo vem representar a humanidade em seu estado caído, alienado de seu Criador.”
João Calvino diz deste verso: “Ele usa a palavra \’pecado\’ no singular para qualquer espécie de iniqüidade; como se ele tivesse dito que toda espécie de injustiça que aliena os homens de Deus é retirada por Cristo. E quando ele diz o pecado do mundo, ele estende este favor indiscriminadamente à toda raça humana.”
Ryle similarmente afirma: “Cristo é… um Salvador para toda a humanidade… Ele não sofreu por algumas pessoas apenas, mas por toda a humanidade… O que Cristo retirou, e carregou na cruz, não foi o pecado de certas pessoas apenas, mas a massa acumulada de todos os pecados de todos os filhos de Adão… Eu defendo tão veementemente quanto qualquer um que a morte de Cristo é proveitosa a ninguém a não ser os eleitos que crêem em Seu nome. Mas eu não ouso limitar e reduzir tais expressões como esta que estamos lidando… Eu não ouso confinar a intenção da redenção aos santos apenas. Cristo é para todo homem… A expiação foi feita para todo o mundo, embora seja aplicada e desfrutada por ninguém senão os crentes.”
Jo 3.16: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”
Os léxicos gregos são unânimes que “mundo” aqui denota a humanidade, não o “mundo dos eleitos.”
Jo 3.16 não pode ser separado dos versos 14-15, nos quais Cristo faz referência a Números 21 com sua discussão de Moisés levantando a serpente de metal no acampamento de Israel, para que se “qualquer um” olhasse para ela, ele experimentaria livramento físico. No verso 15 Cristo aplica a história espiritualmente quando diz que “todo aquele que” crê no Filho do Homem levantado experimente livramento espiritual.
João Calvino diz: “Ele empregou o termo universal ‘todo aquele que,’ tanto para convidar todos indiscriminadamente para participar da vida, quanto para eliminar qualquer desculpa dos incrédulos. Tal é também a significação do termo ‘mundo’ que Ele anteriormente usou [Deus amou o mundo de tal maneira]; pois embora nada seja encontrado no mundo que seja digno do favor de Deus, todavia Ele se manifesta para ser reconciliado com o mundo todo, quando Ele convida todos os homens sem exceção [não meramente ‘sem distinção’] à fé de Cristo, que não é nada mais que uma entrada para a vida.”
Jo 4.42: “E diziam à mulher: ‘Já não é pelo teu dito que nós cremos; porque nós mesmos o temos ouvido, e sabemos que este é verdadeiramente o Cristo, o Salvador do mundo.’”
É certo que quando os samaritanos chamaram Jesus “o Salvador do mundo,” eles não estavam pensando no mundo dos eleitos.
Da mesma forma, quando Jesus disse, “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12), Ele não estava pensando em Si mesmo, como a Luz do mundo dos eleitos. “O sol no céu brilha sobre todos os homens, embora alguns, em sua insensatez, pode escolher se recolher em cavernas escuras para fugir de seus raios iluminadores.”
Quando Jesus chamou Seus discípulos de “a luz do mundo” (Mt 5.14), Ele não queria dizer que eles eram a “luz dos eleitos.”
Da mesma forma, o “Salvador do mundo” em Jo 4.42 não pode ser limitado aos eleitos.
At 2.21: “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.”
Rm 5.6: “Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.”
2Co 5.14-15: “Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou”
1Tm 2.3-4: “Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.”
1Tm 2.5-6: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.”
1Tm 4.10: “Porque para isto trabalhamos e lutamos, pois esperamos no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis.”
Tt 2.11: “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens.”
Hb 2.9: “Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos.”
A palavra “todos” é melhor traduzida por “cada.”
Henry Alford comenta: “Se for perguntado, por que pantos (cada) antes que panton (todos), podemos seguramente dizer que o singular exibe, muito mais fortemente do que a palavra plural, a aplicabilidade da morte de Cristo a cada homem individual.”
2Pe 3.9: “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.”
1Jo 2.2: “E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.”
(Note a distinção entre “nossos” e “todo o mundo.”)
1Jo 4.14: “E vimos, e testificamos que o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo.”


Argumentos Levantados em Favor da Expiação Ilimitada

Há certas passagens da Escritura que parecem muito difícil encaixar dentro da estrutura da expiação limitada. Por exemplo:
Rm 5.6 diz: “Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.”
Não faz muito sentido ler este verso como se dissesse que Cristo morreu pelos ímpios dos eleitos.
Rm 5.18 diz: “Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.”
Sobre este verso, João Calvino diz: “Ele faz este favor comum a todos, pois é proposto a todos, e não porque na realidade estendeu a todos [isto é, em sua experiência]; pois embora Cristo sofreu pelos pecados de todo o mundo, e é oferecido pela benignidade de Deus indiscriminadamente a todos, todavia todos não O recebem.”
Sobre as duas ocorrências da frase “todos os homens,” E. H. Gifford comenta: “As palavras todos os homens [no v. 18] devem ter a mesma extensão em ambas as frases.”
1Jo 2.2 diz: “E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.”
Uma leitura natural deste verso, sem impor pressuposições teológicas nele, parece apoiar a expiação ilimitada.
Is 53.6 diz: “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos.”
Este verso não faz sentido a menos que seja lido que o “todos” que andaram desgarrados é o “todos” por quem o Senhor morreu.
“Na primeira destas afirmações, a apostasia geral dos homens é declarada; na segunda, o desvio particular de cada um; na terceira, o sofrimento expiatório do Messias, que é dito ser em favor de todos. Como o primeiro ‘todos’ é verdadeiro de todos os homens (e não apenas dos eleitos), julgamos que o último ‘todos’ tem relação com o mesmo grupo.”
O teólogo Millard Erickson comenta: “Esta passagem é especialmente poderosa de um ponto de vista lógico. É claro que a extensão do pecado é universal; é especificado que todos nós pecamos… É difícil ler esta passagem e não concluir que, como todos pecam, por todos também é feito expiação.”
1Tm 4.10 diz: “…esperamos no Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, principalmente dos fiéis.”
Há uma clara distinção aqui entre “todos os homens” e “os fiéis.”
Erickson nota que “aparentemente o Salvador fez algo por todas as pessoas, embora seja menos em grau do que ele tem feito pelos que crêem.”
Em 2Pe 2.1, parece que Cristo ate pagou o preço de redenção por falsos mestres que O negam: “E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.” Millard Erickson nota que “2Pe 2.1 parece apontar mais claramente que pessoas por quem Cristo morreu podem se perder… há uma distinção entre aqueles por quem Cristo morreu e aqueles que são finalmente salvos.”
Jo 3.17 diz: “Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.”
Sobre este verso João Calvino diz: “Deus não deseja que sejamos oprimidos com destruição eterna, pois Ele ordenou que Seu Filho fosse a salvação do mundo.”
Calvino também afirmou: “A palavra ‘mundo’ é novamente repetida, para que ninguém possa pensar de si mesmo como totalmente excluído, se ele somente mantém a estrada da fé.”
Muitas passagens indicam que o Evangelho deve ser universalmente proclamado, e isto apóia a expiação ilimitada.
Mt 24.14: “E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.”
Mt 28.19: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.”
At 1.8: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.”
At 17.30: “Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam.”
Tt 2.11: “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens.”
Em virtude de tais passagens, é legítimo perguntar: “Se Cristo morreu somente pelos eleitos, como pode a oferta de salvação ser feita a todas as pessoas sem que alguma espécie de insinceridade, artificialidade, ou desonestidade esteja envolvida? Não é impróprio oferecer salvação a todos se de fato Cristo não morreu para salvar todos?”
“Como Deus pode autorizar Seus servos a oferecer perdão aos não-eleitos se Cristo não o comprou para eles? Este é um problema que não incomoda aqueles que crêem na Redenção Geral [Ilimitada], pois é mais razoável proclamar o Evangelho a todos se Cristo morreu por todos.”
Aqueles que negam a expiação ilimitada não podem dizer a qualquer pecador, “Cristo morreu por você.” (Afinal de contas, ele pode ser um dos não-eleitos.)
O conselheiro reformado Jay Adams comenta: “Como um cristão reformado, o escritor crê que conselheiros não devem aconselhar uma pessoa não salva que Cristo morreu por ele, pois eles não podem dizer isso. Ninguém sabe exceto o próprio Cristo quem são seus eleitos por quem ele morreu.”
Louis Berkhoff, um defensor da expiação limitada, admite: “Não precisa ser negado que há uma real dificuldade neste ponto.”
O teólogo Robert Lightner comenta: “A crença na expiação limitada significa que as boas novas da graça salvadora de Deus em Cristo não pode ser personalizada. Aqueles que crêem em tal posição não podem dizer a alguém a quem eles estão dando testemunho que Cristo morreu por ele pois este alguém pode, de fato, não ser um daqueles por quem Cristo morreu.”
Tais cristãos crêem que o evangelho deve ser apresentado em termos muito gerais, tais como: “Deus ama pecadores e Cristo morreu por pecadores.”
“Crer que alguns são eleitos e alguns não-eleitos não cria nenhum problema para o evangelista visto que ele é livre em suas convicções para declarar que Cristo morreu por cada um daqueles a quem ele fala. Ele sabe que os não-eleitos não aceitarão a messagem. Ele sabe também que até uma pessoa eleita pode resisti-la até perto do dia de sua morte. Mas se o pregador crê que alguma parte de seu público é destituída de qualquer base de salvação, não tendo nenhuma parte nos valores da morte de Cristo, não é mais uma questão em sua mente de se eles aceitarão ou rejeitarão; antes, torna uma questão de autenticidade na declaração da mensagem.”
2Pe 3.9 diz: “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.”
Como pode ser se Cristo morreu apenas e exclusivamente pelos eleitos?
Romanos 5 indica que pelo ato de desobediência de Adão a raça humana inteira se tornou os receptores do pecado. E por um ato de obediência o último Adão fez provisão para o dom gracioso da justiça pela raça humana inteira. A desobediência de um foi co-extensiva com a obediência do outro.
A Escritura diz que Cristo morreu por “pecadores” (1Tm 1.15; Rm 5.6-8). A palavra “pecador” em nenhum lugar é limitado aos eleitos ou à igreja. É usado exclusivamente na Bíblia para a humanidade perdida. A Escritura nos conta que Cristo morreu por pecadores, não pecadores impenitentes, e pelos ímpios, não por apenas alguns deles.
Aparentemente referências restritivas podem ser logicamente encaixadas dentro de um cenário ilimitado mais facilmente do que referências universais poderiam num cenário da expiação limitada.
“O problema que ambos os grupos encaram é a necessidade de harmonizar passagens que referem à redenção limitada com passagens que referem à redenção ilimitada. Aos que crêem na redenção ilimitada as passagens da redenção limitada não apresentam nenhuma dificuldade real. Ele crê que elas meramente enfatizam um aspecto de uma verdade maior. Cristo morreu pelos eleitos, mas Ele também morreu pelos pecados de todo o mundo. Entretanto, os que crêem na redenção limitada não é capaz de lidar com as passagens da redenção ilimitada tão facilmente.”
As duas séries de passagens anotadas anteriormente – uma série aparentemente apoiando a expiação limitada, a outra apoiando a expiação ilimitada – não são irreconciliáveis. Como Elwell coloca, “É verdade que os benefícios da morte de Cristo são referidos como pertencendo aos eleitos, suas ovelhas, seu povo, mas teria que ser mostrado que Cristo morreu somente por eles. Ninguém nega que Cristo morreu por eles. É somente negado que Cristo morreu exclusivamente por eles.”
Millard Erickson da mesma forma diz que “afirmações sobre Jesus amando e morrendo por sua igreja ou suas ovelhas não precisam ser entendidas como confinando seu amor especial e morte salvífica estritamente a elas… Não segue de uma declaração que Cristo morreu por sua igreja, ou por suas ovelhas, que ele não morreu por ninguém mais, a não ser, é claro, que a passagem especificamente afirma que foi somente por elas que ele morreu… Certamente se Cristo morreu pelo todo, não há nenhum problema em afirmar que ele morreu por uma parte específica do todo. Insistir que aquelas passagens que focam em sua morte por seu povo requer o entendimento de que ele morreu apenas por eles e por ninguém mais contradiz as passagens universais. Concluímos que a hipótese da expiação universal é capaz de explicar um segmento maior do testemunho bíblico com menos distorção do que a hipótese da expiação limitada.”
Robert Lightner similarmente argumenta: “A tarefa de harmonizar aquelas várias Escrituras apresenta um problema muito maior para aqueles que crêem em uma expiação limitada do que para aqueles que crêem numa posição ilimitada. Aqueles que defendem uma expiação ilimitada reconhecem que algumas Escrituras enfatizam o fato que Cristo morreu pelos eleitos, pela igreja, e por crentes individuais. Entretanto, eles apontam que quando esses versos distinguem um grupo específico, eles não o fazem excluindo qualquer um que esteja fora desse grupo visto que dezenas de outras passagens os incluem. As passagens ‘limitadas’ estão apenas enfatizando um aspecto de uma verdade maior. Em contraste, aqueles que defendem uma expiação limitada enfrentam grandes dificuldades para explicar as passagens ‘ilimitadas.’”
O fato é, as Escrituras não incluem sempre todos os aspectos de uma verdade em qualquer passagem. “Se estes textos são usados isoladamente para ‘provar’ que Cristo morreu somente pelos eleitos, então poderia ser argumentado com igual lógica de outras passagens isoladas que Cristo morreu apenas por Israel (cf. Jo 11.51; Is 53.8), ou que Ele morreu apenas pelo apóstolo Paulo (pois Paulo declara de Cristo, ‘O qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim,’ Gl 2.20). Como também alguém pode afirmar que Cristo restringiu Suas orações a Pedro por causa do fato que Ele disse a Pedro, ‘Mas eu roguei por ti’ (Lc 22.32).”
Vamos examinar em maiores detalhes algumas passagens que falam de Cristo sendo o Salvador dos Israelitas.
At 13.23 diz: “Da descendência deste, conforme a promessa, levantou Deus a Jesus para Salvador de Israel.”
Este verso indica que Jesus foi o Salvador oferecido a Israel, não que todo israelita depositou fé em Cristo e foi salvo pelo Salvador.
“Que base temos nós para pensar que todas essas pessoas receberam a salvação? Nenhuma. Todavia, claramente, ela foi colocada ao alcance deles.”
Em Mt 1.21 somos informados que Jesus “salvará o seu povo dos seus pecados.”
Por todo o Velho Testamento Deus fala dos israelitas como “Meu povo.”
Sete vezes Deus diz a Faraó, “Deixa ir o meu povo” (Êx 5.1; 7.16; 8.1, 20; 9.1, 13; 10.13).
(Solicito ao leitor checar uma concordância para ver por si mesmo que Deus muitas vezes refere aos israelitas como “Meu povo” por todo o Velho Testamento.)
A última ocorrência é Zc 13.9: “Ela invocará o meu nome, e eu a ouvirei; direi: É meu povo; e ela dirá: O SENHOR é o meu Deus.”
Agora, em Lc 1.68 Zacarias disse: “Bendito o Senhor Deus de Israel, Porque visitou e remiu o seu povo.” Zacarias está usando a frase “seu povo” no sentido padrão do Velho Testamento.
Em Mt 1.21, quando um anjo disse a José, “E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados,” as palavras “seu povo” parece estar fazendo referência especificamente ao povo de Israel, não ao completo grupo dos eleitos de Deus (que inclui não-israelitas ou gentios). Todavia, como Norman Douty pergunta, “Quem crê que o povo judeu tem o monopólio da graça salvadora de Cristo? Todos defendem que vai além de seus limites, até o mundo gentio também.”
Da mesma forma lemos em Jo 11.50: “Nem considerais que nos convém que um homem morra pelo povo, e que não pereça toda a nação [isto é, Israel].”
Em nenhuma destas passagens os defensores da expiação limitada insistem que o povo judeu é exclusivamente o objeto da graça salvadora de Deus. Similarmente, quando se diz que Cristo resgatou a igreja com Seu sangue (At 20.28), não podemos limitar a obra expiatória de Cristo à igreja somente.
Gl 2.20 declara que Cristo amou Paulo e se entregou por ele (“A vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim”). Mas isto não significa que Cristo se entregou somente por Paulo. Acrescentando, Cristo não se entregou somente por Paulo, ou somente por Israel, ou somente pela igreja, mas por todos os homens.
Termos universais como “mundo” não devem ser restritos nos contextos que falam da expiação.
É verdade que palavras como “todos” e “mundo” são algumas vezes usadas na Bíblia com um sentido restrito. Mas o contexto é sempre determinante. Robert Lightner comenta: “Aqueles que sempre limitam o significado desses termos em contextos que lidam com a salvação o fazem baseando-se em pressuposições teológicas, não baseando-se nos próprios textos.”
Um estudo da palavra “mundo” – particularmente nos escritos do apóstolo João, onde é usado 78 vezes – indica que mundo é o mundo que odeia Deus, que rejeita Cristo, e que é dominado por Satanás. Todavia este é o mundo pelo qual Cristo morreu. Particularmente nos escritos de João, interpretar “mundo” como “mundo dos eleitos” parece uma grande distorção da Escritura.
Entre os léxicos, enciclopédias, e dicionários mais confiáveis que não conhecem o significado “mundo dos eleitos” para a palavra bíblica “mundo” (kosmos) estão:
Kittel’s Theological Dictionary of the New Testament.
Vine’s Expository Dictionary of New Testament Words.
Vincent\’s Word Studies in the New Testament.
Thayer’s Greek-English Lexicon of the New Testament.
Souter’s Pocket Lexicon of the New Testament.
The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge.
Hastings’ Dictionary of the Bible.
The International Standard Bible Encyclopedia.
The New Bible Dictionary.
Baker’s Dictionary of Theology.
Arndt and Gingrich’s A Greek-English Lexicon of the New Testament.
Walter Martin, fundador do Christian Research Institute, observa: “O apóstolo João nos conta que Cristo entregou Sua vida como uma propiciação pelos nossos pecados (isto é, os eleitos), embora não pelos nossos apenas mas pelos pecados do mundo todo (1Jo 2.2)… [As pessoas] não podem se esquivar do uso de João de ‘todo’ (grego: holos). No mesmo contexto o apóstolo concludentemente aponta que ‘o mundo todo (holos) está no maligno’ ou, mais propriamente, ‘no colo do maligno’ (1Jo 5.19, tradução literal). Se assumirmos que ‘todo’ aplica somente aos escolhidos ou eleitos de Deus, então o ‘mundo todo não está no colo do maligno. Isto, é claro, todos rejeitam.”
Devemos também perguntar, Como pode o Espírito Santo ter um ministério para o mundo todo de mostrar aos homens a necessidade de Jesus Cristo (Jo 14-16) se a morte de Cristo não faz provisão para o mundo todo?
Jo 16.7-11 diz: “Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei. E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo. Do pecado, porque não crêem em mim; Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais; E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado.”
Note nesta passagem que “o mundo” é claramente distinto de “vós” e “vos.”
Ainda mais, é dito que o Espírito Santo convence o mundo. E uma das coisas que o Espírito convence “o mundo” é do pecado de não crer em Cristo (v. 9).
Não devemos concluir que “o mundo” que é convencido da incredulidade seja o mundo dos eleitos, devemos? (Se for, então Satanás, o “príncipe deste mundo” [v. 11, mesmo contexto], deve ser o “príncipe dos eleitos.”)
Calvino diz desta passagem que “sob o termo mundo estão, creio, incluídos não apenas aqueles que seriam verdadeiramente convertidos a Cristo, mas os hipócritas e os reprovados.”
Embora Deus seja completamente soberano sobre todas as coisas, isto não significa que Ele traz à existência tudo que Ele “deseja.”
Norman Douty oferece esta reflexão: “Considere o começo da história humana. Deus disse aos nossos primeiros pais para não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal. Ele queria que eles comessem, ou não queria? Claramente, Ele não queria que eles comessem. Todavia eles comeram dela. Ele ficou frustrado? É claro que não. Ele não ficou frustrado porque, por Sua graça eficiente, Ele poderia ter induzido-os a não comer. Todavia Ele escolheu reter essa graça e permitir a queda. No entanto, a completa responsabilidade por esse pecado pertenceu a Adão e Eva, que tinham graça suficiente para refrear, mas não a usaram.”
Considere Mt 23.37: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!”
O que Cristo desejou não foi o que aconteceu.
Douty conclui: “Como Deus poderia ter induzido nossos primeiros pais a não comer da árvore, ele também poderia ter induzido… os judeus resistentes do tempo de Cristo a terem recebido Seu gracioso ministério de salvação. Mas Ele não escolheu efetuar estes fins desejáveis. Todavia de nenhuma forma Ele queria que o mal sobreviesse a qualquer um. Ele meramente permitiu a violação de Seus desejos a fim de executar um propósito secreto que Ele tinha em mente.”
Mais um exemplo diz respeito a Jesus, que disse a alguns judeus em Jo 5.34: “Digo isto, para que vos salveis.” Mas “salvos” eles não eram. Por quê? Porque Cristo acrescentou no verso 40, “Não quereis vir a mim para terdes vida.” Aqui está um claro caso de “mas não o quiseste,” apesar da clara oferta de salvação.
“Há razões que são baseadas nas Escrituras por que nosso soberano Deus pode prover uma redenção por todos quando Ele meramente propôs por decreto salvar alguns. Ele é justificado por colocar o mundo todo em uma particular relação consigo mesmo para que o evangelho possa ser pregado com toda sinceridade a todos os homens, e para que, do lado humano, os homens possam ser inescusáveis, sendo julgados, como são, por sua rejeição do que é oferecido a eles.”
Alguém que rejeita a expiação limitada de forma alguma significa que ele deprecia ou diminui a clara doutrina bíblica da soberania de Deus. Qualquer um que faz esta alegação está simplesmente desinformado.
“Sem a menor inconsistência os defensores da expiação ilimitada podem crer numa eleição de acordo com a graça soberana, que ninguém senão os eleitos serão salvos, que todos os eleitos serão salvos, e que os eleitos são por capacitação divina unicamente chamados do estado de morte espiritual da qual eles estão impotentes para sequer dar um passo em direção a sua própria salvação. O texto, ‘Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer’ (Jo 6.44), é tanto uma parte de um sistema de doutrina quanto é do outro.”
Mt 26.28 diz, “Porque isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados.”
A referência a “muitos” nas palavras de Cristo não apóiam a expiação limitada mas antes a expiação ilimitada.
Alguém deve ter em mente que anteriormente em Mateus Jesus tinha dito que poucos encontram a vida eterna (Mt 7.14) e poucos são escolhidos (22.14). Mas Cristo não disse que Seu sangue seria derramado por poucos, mas por muitos.
João Calvino assim declara deste verso: “Pela palavra muitos Ele não quer dizer uma parte do mundo apenas, mas toda a raça humana.”
Este é o mesmo significado em Rm 5.15: “Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos.”
Note que os “muitos” do verso 15 é claramente definido no verso 18 como “todos os homens”: “…assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.”
Note que neste verso Paulo fala do pecado de Adão, e da morte resultante vinda sobre todos os seus descendentes. Mas então o apóstolo continua falando da graça de Deus e de seu dom resultante (da vida), abundando sobre o mesmo grupo.
Eu digo, “sobre o mesmo grupo,” pois “os muitos” na segunda frase do verso é de extensão igual ao “os muitos” na primeira frase.


Resposta a Três Questões Comuns

1. Se Cristo morreu por aqueles que vão ao inferno, que benefício eles têm de Sua morte?
Resposta: “Podemos da mesma forma perguntar, Que benefício os israelitas picados obtiveram da serpente de metal para a qual eles se recusaram a olhar? Nenhum, obviamente, mas Deus obteve a glória de ser um Deus generoso o suficiente para prover para eles.”
2. Se a satisfação foi feita por todos, como pode alguém ir para o inferno?
Resposta: “Embora Deus tenha provido expiação para todos, Ele também estipulou que ninguém obteria o benefício dela, exceto através do arrependimento e fé. A libertação da sentença não foi contingente na própria expiação mas na recepção dela. Homens podem morrer de fome na presença de uma banquete gratuito, se eles se recusarem a participar dele.”
3. Por que Deus enviaria Cristo para morrer por aqueles que Ele, em Sua onisciência, sabia que nunca receberiam Sua provisão?
Resposta: “Por que Deus ricamente dotou os anjos que subseqüentemente pecaram, quando Ele sabia que ele não usariam Seus dons para seu bem eterno? Por que Ele conferiu valorosos dons aos nossos primeiros pais, para ser empregados em benefício próprio e também nosso, quando Ele sabia que eles não os empregariam? Por que Ele enviou Noé para pregar para as pessoas que Ele sabia que não receberiam Sua mensagem? E por que Ele mandou os profetas a Israel, quando Ele sabia que eles continuariam em sua apostasia? Há uma coisa chamada benevolência divina.”
Resposta a Algumas Críticas Feitas pelos Proponentes da Expiação Limitada
A acusação de que a expiação ilimitada leva ao universalismo é um caso à parte. “Apenas porque alguém crê que Cristo morreu por todos não significa que todos são salvos. Alguém deve crer em Cristo para ser salvo, então o fato que Cristo morreu pelo mundo aparentemente não assegura a salvação de todos. Aqueles que afirmam isto estão simplesmente equivocados.”
Deus faz a provisão de salvação para todos os homens, mas é condicionado pela fé. Assim, a salvação se torna atual somente para os eleitos, embora seja potencial e disponível a todos. “Nossa herança da vida eterna envolve dois fatores separados: um fator objetivo (a provisão de salvação de Cristo) e um fator subjetivo (nossa aceitação dessa salvação).”
Os calvinistas moderados distinguem entre os benefícios provisionais da morte de Cristo e da apropriação desses benefícios pelos eleitos.
Embora a provisão da expiação seja ilimitada, todavia a aplicação dela é limitada.
Em seu livro The Death Christ Died, Robert Lightner explica: “[Calvinistas moderados] acreditam que a cruz não aplica seus próprios benefícios mas que Deus condicionou Sua completa e gratuita salvação à fé pessoal a fim de apropriar sua realização ao indivíduo. Esta fé que os homens devem exercer não é uma obra pela qual o homem contribui sua parte para sua salvação, nem a fé, na concepção calvinista moderada, melhora de qualquer forma o sacrifício final e completo do Calvário. É simplesmente o método de aplicar os benefícios do Calvário que o Deus soberano intentou usar em Seu plano todo sábio de salvação.”
Deus não é injusto por condenar aqueles que rejeitam a oferta de salvação. Ele não está exigindo julgamento duas vezes. “Porque o incrédulo recusa a aceitar a morte de Cristo como sua, os benefícios da morte de Cristo não são aplicados nele. Ele está perdido, não porque Cristo não morreu por ele, mas porque ele recusa a oferta de perdão de Deus.”
O propósito eletivo de Deus não é completo até que os eleitos estejam na glória. Visto que isto é verdadeiro, e visto que a cruz provê salvação dependente da fé para sua recepção, e visto que a cruz não assegura a salvação à parte dessa fé, não há nenhuma contradição com a soberania de Deus.
A expiação ilimitada tem sido defendida pela maioria de eruditos por toda a história da igreja.
Millard Erickson aponta que a expiação ilimitada tem sido “defendida pela vasta maioria de teólogos, reformadores, evangelistas, e pais do início da igreja até o presente dia, incluindo realmente todos os escritos antes da Reforma, com a possível exceção de Agostinho. Entre os Reformadores a doutrina é encontra em Lutero, Melanchthon, Bullinger, Latimer, Cranmer, Coverdale, e até Calvino em alguns de seus comentários… É provável que a esmagadora maioria de cristãos poderiam ter interpretado tão mal a direção do Espírito Santo em tal ponto importante?”
Robert Lightner escreve a posição de Calvino sobre a questão: “Aqueles que apóiam a expiação limitada geralmente argumenta que essa é a posição aderida por Calvino. Mas é altamente discutível que ele, de fato, defendeu esta opinião… Ao passo que alguns eruditos têm tentado mostrar que há harmonia entre Calvino e o Calvinismo ortodoxo, outros têm argumentado que o Calvinismo contemporâneo tem distanciado significantemente seu ensino de Calvino, incluindo seu ensino sobre a extensão da expiação.”
(O leitor irá recordar que um número de citações de Calvino neste ensaio mostra que ele foi favorável à expiação ilimitada.)
Citações dos Primeiros Pais da Igreja
Clemente de Alexandria (150-220): “Cristo gratuitamente traz… salvação a toda a raça humana.”
Eusébio (260-340): “Era necessário que o Cordeiro de Deus fosse oferecido pelas outras ovelhas cuja natureza Ele assumiu, até pela raça humana inteira.”
Atanásio (293-373): “Cristo o Filho de Deus, tendo assumido um corpo como o nosso, pois fomos todos expostos à morte [que abrange mais do que os eleitos], se entregou à morte por todos nós como um sacrifício para Seu Pai.”
Cirilo de Jerusalém (315-386): “Não se pergunte se o mundo inteiro foi redimido, pois Ele não foi um mero homem, mas o Unigênito Filho de Deus.”
Gregório de Nazianzen (324-389): “O sacrifício de Cristo é uma expiação imperecível do mundo todo.”
Basílio (330-379): “Mas algo foi achado que foi equivalente a todos os homens… o santo e precioso sangue de nosso Senhor Jesus Cristo, que Ele derramou por todos nós.”
Ambrósio (340-407): “Cristo sofreu por todos, ressuscitou por todos. Mas se alguém não crê em Cristo, ele se priva deste benefício geral.” Ele também disse, “Cristo veio para a salvação de todos, e garantiu a redenção de todos, porquanto Ele trouxe um remédio pelo qual todos podem se salvar, embora haja muitos que… estão indispostos para ser curados.”
Agostinho (354-430): Embora Agostinho seja muitas vezes citado apoiando a expiação limitada, há também claras declarações nas obras de Agostinho que sustentam a expiação ilimitada. Por exemplo: “O Redentor veio e deu o preço, derramou Seu sangue, e comprou o mundo. O sangue de Cristo é o preço: o que é de tão grande valor? O que, senão o mundo todo? O que, senão todas as nações?” Ele também afirmou, “O sangue de Cristo foi derramado para a remissão de todos os pecados.”
Cirilo de Alexandria (376-444): “A morte de uma carne é suficiente para a redenção da raça humana inteira, pois pertencia ao Logos, o Unigênito de Deus Pai.”
Próspero (um amigo e discípulo de Agostinho que morreu em 463): “No que se refere à magnitude e virtude do preço, e à única causa da raça humana, o sangue de Cristo é a redenção do mundo todo: mas aqueles que passam por esta vida sem a fé de Cristo, e o sacramento da regeneração, não participa da redenção.”
Ele também disse, “O Salvador é mais justamente dito ter sido crucificado pela redenção do mundo todo.” Ele então disse, “Embora o sangue de Cristo seja o resgate do mundo todo, todavia eles são excluídos de seu benefício, quem, estando satisfeito com sua escravidão, estão indispostos a ser redimido por ele.”
Citações dos Reformadores do Século 16
Martinho Lutero (1483-1546): “Cristo não é um cruel exator, mas é aquele que perdoa os pecados do mundo todo… Ele se entregou a Si mesmo por nossos pecados, e com uma oblação retirou os pecados do mundo todo… Cristo retirou os pecados, não de certos homens apenas, mas também os seus, sim, do mundo todo… Não somente meus pecados e os seus, mas também os pecados do mundo todo… Apropriem-se de Cristo.”
Philip Melanchton (1497-1560): “É necessário saber que o Evangelho é uma promessa universal, isto é, essa reconciliação é oferecida e prometida a toda a humanidade. É necessário sustentar que esta promessa é universal, em oposição a quaisquer imaginações sobre a predestinação, a fim de que não raciocinamos que esta promessa dizem respeito a poucos outros e nós mesmos. Mas declaramos que a promessa do Evangelho é universal. E a isto são trazidas essas expressões universais que são usadas constantemente nas Escrituras.”
Outras pessoas envolvidas a um certo grau na Reforma que defenderam a expiação ilimitada incluem: Hugh Latimer, Myles Coverdale, Thomas Cranmer, Wolfgang Musculus, Henry Bullinger, Benedict Aretius, Thomas Becon, Jerome Zanchius, David Paraeus, e, como notado anteriormente, João Calvino.
Citações de Outros Eruditos da História da Igreja Recente
Philip Schaff: “Sua graça salvadora flui e superabunda a todos e por todos, sob a simples condição de fé… Se, pela graça de Deus, eu puder converter um único cético a uma fé inocente nele, que viveu e morreu por mim e por todos, eu sentiria que eu não vivi em vão.”
B. F. Westcott: “Potencialmente, a obra de Cristo estende para o mundo todo. E o amor de Deus é sem limite de Sua parte, mas para apropriar a benção do amor, o homem deve cumprir a condição necessária da fé.”
A. T. Robertson: [A palavra “mundo” em Jo 3.16 – “Porque Deus amou o mundo de tal maneira” – significa] “o completo cosmos dos homens, incluindo os gentios, toda a raça humana,” e acrescenta que “este aspecto universal do amor de Deus aparece também em 2Co 5.19; Rm 5.8.”
MINHA CONCLUSÃO
Neste curto resumo, olhamos para os dois lados do debate a respeito da extensão da expiação. Creio que quando alguém considera todas as evidências bíblicas coletivamente, a visão correta é a expiação ilimitada.
Tradução: Paulo Cesar Antunes
Fonte: http://www.arminianismo.com/index.php/categorias/diversos/artigos/26-ron-rhodes/77-a-extensao-da-expiacao
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Esse Blog apóia Samuel Câmara

Esse Blog apóia Samuel Câmara
CGADB PARA TODOS