domingo, 5 de janeiro de 2014

Augustus Nicodemus como a maiorias dos calvinistas começa logo de cara com aquela hermenêutica que todos conhecemos: selecionando textos aqui, forçando outros ali, empurrando outros, sempre tendo o objetivo final de mascarar esteticamente o determinismo calvinista e concluir assim que a melhor exegese soteriológica é a deles.



Selecionei os trechos que se segue para destrinchá-los.


"A chave para entendermos Romanos 9 é a intenção de Paulo, o que ele quer mostrar? A resposta está nos versículos iniciais, 1-5. Ele está triste porque Israel rejeitou Jesus Cristo. Este fato poderia levantar a questão de que a promessa de Deus havia falhado (verso 6). Paulo evita este problema explicando que a promessa foi feita aos descendentes espirituais de Abraão e não aos seus descendentes físicos. Nem todos de Israel são filhos de Deus (verso 6-7)."



Se realmente a chave está nos versículos iniciais, então não deveria ter usado o 2.  "Que tenho grande tristeza e contínua dor no meu coração." Paulo teria tristeza  por saber que Deus tem seus eleitos para salvação(Judeu ou não) ou ele teria tristeza por ver que os judeus rejeitaram voluntariamente o Messias? Na primeira hipótese, segue-se que Paulo prega o determinismo,  mas tem tristeza, não aceita o que prega. Muito estranho considerando que estamos falando do Apóstolo Paulo que aceitava qualquer situação por amor ao evangelho. Ele segue dizendo: "Porque eu mesmo poderia desejar ser anátema de Cristo, por amor de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne;".  O motivo da  tristeza dele está claramente explicado, e de nenhuma forma é uma tristeza tendo em vista o plano de Deus e sim, por seus irmãos hebreus terem deliberadamente rejeitado o Messias e assim Deus ter concedido salvação aos gentios. De fato, o Messias, o Senhor Jesus Cristo, veio e os judeus não o reconheceram (Jo 1:11). Paulo afirmou esta mesma verdade em Romanos 10.16-21 . Em virtude da rejeição de Jesus como Messias, pensa-se que os judeus foram rejeitados, ou seja, perderam a oportunidade de serem salvos. Se esta for uma concepção correta, o que dizer das promessas de caráter eterno de que eles são povo e nação exclusiva de Deus? O contexto imediato que se segue é a demonstração que Deus não é infiel, ele é justo e cumpre suas promessas mesmo Israel o rejeitando. "Eles foram escolhidos enquanto indivíduos, embora, certamente, esta escolha venha a ter algum reflexo em seus descendentes (versos 8-13). O ponto de Paulo é que somente os escolhidos de entre a nação de Israel é que creram (e crerão) em Cristo. São indivíduos escolhidos de entre uma nação, para a salvação. Desta forma, Paulo mostra que as promessas de Deus a Israel não falharam, pois dentre a nação Deus sempre escolheu soberanamente, e não por obras, aqueles israelitas individuais que viriam a crer em Jesus Cristo, como o próprio Paulo." (e item I)Aqui Nicodemus não leva em consideração entre tatas outas passagens a de João 1:12: "Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome." Certamente a escolha de cada um não foi predestinada, eles tiveram que receber o Messias, tiveram que crer, enquanto a maioria não quiseram aceitar e inclusive,  perseguiram Jesus, assim como perseguiram outros profetas. Isso fica bem claro em Lucas 13:34: "Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha os seus pintos debaixo das asas, e não quiseste?"



"(2) A eleição de Jacó sobre Esaú (Romanos 9:10-13) pode ter implicações nacionais, mas começa com dois indivíduos. Não podemos esquecer este fato. (3) Jacó foi eleito e Esaú rejeitado antes que tivessem feito algo de bom ou ruim. O texto está falando de indivíduos que podem fazer o bem e o mal. Não fala de nações que sairiam deles e que fariam bem ou mal. O bem e o mal referido é de pessoas, indivíduos, chamados Jacó e Esaú."


Sim, de fato começa com dois indivíduos, mas não tem relação nenhuma com eleição deles para salvação. É incluído no contexto um outro caso, o de Isamel, e em cada um,  Paulo demonstra a escolha de Deus para garantir a sua promessa de redenção, tendo uma nação separada para o nascimento do Messias. Não dá para dizer que Esaú ou Ismael foram predestinados para não serem salvos. Longe disso, o Anjo abençoa Hagar e Isael no deserto de Padã-Arã e Isaque abençoa igualmente a Esaú(ainda que com uma benção inferior a de Jacó). A forte expressão “odiei a Esaú” no versículo 13 deve ser vista como um típico exempo de hipérbole oriental, que expressa as coisas em termos de extremos. Além disso, na língua hebraica “amar” geralmente significa “favorecer”, e “odiar” pode significar “favorecer ou amar menos”. Observe, por exemplo, que em Gênesis 29.21, 33, a RSV traduz a palavra hebraica odiar literalmente, enquanto a NIV traduz a palavra como “não amada”. Essa versão reconhece, à luz de Gênesis 29.30, que Jacó amava Lia menos do que Raquel; ele não a “odiava”.  A  palavra hebraica para odiada é traduzida “não amada” na NIV e “desprezada” na RSV. Portanto, é sensato dizer que com tudo isso, a rejeição de Esaú por parte de Deus não significa necessariamente que este foi predestinado para não ter salvação. Ele foi rejeitado simplesmente para Jacó e seus descendentes serem  favorecido no plano de redenção. Ainda em relação às palavras "odeie a Esaú", certamente que devem serem entendidas como ódio ao pecado que os descendentes dele cometeram, ou seja, Edom. A única coisa que faz com que Deus odei alguém é o pecado. Nicodemus parece não considerar outros versículos do capítulo,  p. ex,   12, que diz que o "maior servirá ao menor". Isso nunca aconteceu com Esaú em relação a Jacó, mas com os povos descendentes deles."(4) Rom. 9:15 enfatiza a soberania de Deus na escolha de indivíduos. "Terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia." O pronome “quem” é um singular masculino. Se Paulo estivesse falando de nações, poderia ter usado um pronome plural.



(5) Rom 9:16 está claramente lidando com pessoas: “Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre”. “Quem quer” θέλοντος e “quem corre” τρέχοντος são dois singulares masculinos. É difícil ver implicações nacionais em tudo aqui. É sobre o desejo e esforço individual."


Paulo mostra aqui que a aparente injustiça de Deus nas escolhas apenas indica que a  misericórdia e compaixão de Deus são absolutamente livres e estão ao seu soberano dispor. Ninguém pode obtê-las em troca de alguma coisa; ninguém as merece. Nem os judeus que aceitaram , nem os judeus que rejeitaram e nem os gentios. “Compadecer-me-ei de quem me compadecer” significa “Eu não exigirei obras,” v. 11, pois então nenhuma misericórdia jamais seria demonstrada, pois ninguém é capaz de prover as obras necessárias para a salvação. Em outras palavras, a eleição de Deus deriva de sua misericórdia e compaixão. Isso nos leva a crer que a vontade de Deus é “livre, porém não arbitrária”. Portanto, no versículo 16 é expresso que não depende de quem quer, ou de quem corre, mas de Deus usar sua misericórdia. Isso coaduna com o versículo 11 onde diz que não é por obras, mas por aquele que chama. A extensão da misericórdia  é total e emana unicamente de Deus.  Tudo que é listado nos v. 4, 5 era pura misericórdia aos israelitas; tudo que os cristãos, judeus e gentios, agora têm é a mesma pura misericórdia. É interessante que Paulo emprega um passagem de Êx 33.19 que é uma  resposta a um pedido de Moisés de um alto privilégio(“Rogo-te que me mostres a tua glória!”). Deus concede, não porque ele o merece, mas de graça, porque ele “terá misericórdia de quem ele tiver misericórdia, e se compadecerá de quem ele se compadecer.” A passagem, conforme empregada por Paulo, afirma que Deus favorece nações de acordo com sua vontade, mas o apóstolo usa  explicitamente a pessoa de Moisés  como exemplo, o que justifica o pronome "quem" que Paulo usa. "




(6) Rom 9:18 fala do endurecimento de Faraó, um indivíduo. Não está tratando do endurecimento do Egito, mas da pessoa de seu rei, Faraó. Após falar do endurecimento, Paulo resume o que ele está tentando dizer usando pronomes singulares masculinos: “Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz”. Se Paulo estava falando de eleição e endurecimento de nações, ao terminar o exemplo pessoal e individual de Faraó ele deveria ter dito que ele endurece e tem misericórdia das nações que quer."



Paulo nesses versículos usa Faraó como paradigma para Israel. Sempre questionei o porquê de usarem Faraó para defender que Deus queria mostrar seu poder e para isso precisaria necessarimente usar Faraó. Não haveria necessidades de tantas tentativas de alerta por parte de Moisés e Arão. Outra, chega ser óbvio que um imperador egipcio cercado de todo paganismo já era endurecido no sentido de não querer libertar Israel por natureza. Por outro lado, a presença de Israel e o testemunho do que José tinha feito no passado e mais as primeiras demonstrações do poder de Deus através de Moisés foram  suficente para que antes de ser endurecido ele tivesse oportunidades de se arrepender. Transcrevo aqui as palavras de Godet:  “O que não deve ser esquecido, e o que aparece claramente, de toda a narrativa em Êxodo, é que o endurecimento de Faraó, foi inicialmente um ato seu. Cinco vezes é dito dele que ele mesmo endureceu, ou tornou pesado seu coração (Êx 7.13; 7.22; 8.15; 8.32; 9.7), antes da vez quando é finalmente dito que Deus o endureceu (Êx 9.12), e mesmo depois disso é dito que ele endureceu a si mesmo (Êx 9.34). Assim ele inicialmente fechou seu próprio coração aos apelos de Deus; ficou mais firme pela resistência obstinada sob os julgamentos de Deus, até que finalmente Deus, como punição por sua rejeição obstinada do direito, entregou-o à sua louca insensatez e afastou seu julgamento.”. Como arminiano acredito piamente em endurecimento divino, certamente que sim, porém isso não significa que Deus os "endurecidos" são predestinados a condenação, o próprio termo endurecer denota uma ação iniciada em alguém antes não endurecido e não signifca que uma vez endurecido, endurecido para sempre. Mas forçar o exemplo de Faraó é a máxima da doutrina calvinista."




(7) A objeção em Rom. 9:14, “Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus?” - faz pouco sentido se Paulo estivesse falando sobre a eleição corporativa ou nacional. A acusação de injustiça poderia facilmente ser respondida se Paulo estivesse dizendo que a eleição de Deus é apenas em relação às nações e não tem a intenção salvadora. (8) Da mesma forma, a objeção em Rom. 9:19 fica totalmente sem sentido se Paulo não estiver falando de eleição individual. “Algum de vocês vai me dizer: “Se é assim, como é que Deus pode encontrar culpa nas pessoas? Quem pode ir contra a vontade de Deus?” (NTLH). A questão que o opositor de Paulo está levantando é que Deus parece injusto com indivíduos, ao endurecer alguns e ter misericórdias de outro como lhe apraz, e não com nações."



Mais uma vez ele força o texto para dizer aquilo que ele quer. A questão não é apenas do opositor,  é também de Paulo, desde o início do capítulo, Paulo também está triste. O endurecimento não é a causa da aparante injustiça de Deus e consequente tristeza de Paulo sim,  as tantas promessas feitas a Israel e que por conta deles terem rejeitado, essas bençãos terem passado para os gentios,  que não era o povo da promessa. Isso em primeira análise, parece ser injustiça, gentios terem parte na herença de Israel era inconcebível. Esta liberdade de Deus, em sua eleição de raças e não eleição de outras, ter escolhido Israel e depois ter acrescentado os gentios no plano de salvação não faz violência à sua justiça? Não é injusto que Deus escolha uma nação e rejeite outra? A resposta a esta questão é agora dada. Paulo mostra que as Escrituras reconhecem esta liberdade, e estas Escrituras, reverenciadas pelo objetor judeu a quem ele está escrevendo, não atribuiria injustiça a Deus."





(10) Em Rom 9:24 Paulo diz que Deus chamou os “vasos de misericórdia”, que Ele preparou para glória “de antemão” (são os eleitos mencionados no capítulo todo) “não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios”. É difícil ver eleição nacional aqui, pois Deus chamou estas pessoas "dentre" todas as nações, ἐξ Ἰουδαίων (de entre os judeus) e também ἐξ ἐθνῶν (de entre os gentios). Os vasos de misericórdia, que são a descendência espiritual de Abraão, em quem se cumprem as promessas, são chamados por Deus de entre na nação de Israel e de entre as nações gentílicas."



Aqui está o pivô da interpretação calvinista,  "vasos de misericórdia X vasos de ira". Para eles, vasos de misericórdia são os predestinados para a salvação e os vasos de ira, os predestinados para condenação. Não é isso que Paulo quer concluir com essa analogia dos vasos. Me parece que os calvinistas acrescentam a esses versículos o seguinte: Vasos de ira serão vasos de ira eternamente e vasos de misericórdia serão vasos de misericórdia para sempre. Mas o texto não diz isso, posso tranquilamente interpretar a luz de outras analogias que Paulo fazia relacionando vasos, como é o caso de 2Tm 2.21: "De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra". A afirmativa de Paulo não tem um caráter imutável e estático. O próprio Paulo antes de sua conversão era certamente um vaso de desonra. Qualquer eleito antes de ter um encontro pessoa com Cristo é um vaso de desonra. Alías Paulo sequer tem por fim, falar de salvação, antes, está exaltando a soberania divina, como bem frisou Jonh Wesley: " E quanto mais não tem Deus direito sobre suas criaturas, para designar um vaso, a saber, o crente, para honra e um outro, a saber, o incrédulo, para desonra? Se examinar o direito que Deus tem sobre nós de um modo mais geral, no que tange às suas criaturas inteligentes, Deus pode ser considerado de dois ângulos diferentes: como criador, proprietário e Senhor de tudo, ou como seu governador e juiz." Vasos de misericórdia não são os eleitos, são judeus e gentios que aceitaram as boas novas de salvação e vasos de desonra são os que rejeitam a salvação, a desonra é exatamente isso, o que mais seria? "




(11) Em Romanos 11:1-10, quando Paulo volta a falar da eleição de israelitas individuais de entre Israel étnico, fica claro que os eleitos são pessoas de entre a nação de Israel, os sete mil que não dobraram o joelho a Baal (Rm 11.4), aos quais Paulo se refere como “a eleição da graça” (Rm 11.5). Isso nos diz duas coisas: 1) eles são sete mil indivíduos que Deus tem mantido crentes dentro da nação de Israel, e não uma nova nação. 2) Esses indivíduos são mantidos por Deus na fé no Deus verdadeiro, não se curvando diante de Baal (ou seja, eles permaneceram fiéis a Deus). Ou seja, a eleição mencionada por Paulo é de indivíduos para a salvação"



Apelar para Romanos 11: 1-10  e a passagem de Elias e os sete mil não foi uma boa ideia.

"Esses indivíduos são mantidos por Deus na fé no Deus verdadeiro, não se curvando diante de Baal (ou seja, eles permaneceram fiéis a Deus). Ou seja, a eleição mencionada por Paulo é de indivíduos para a salvação."


Esses indivíduos são mantidos por Deus na fé no Deus verdadeiro ou são mantidos POR TEREM FÉ e não terem se desviado?


Possíveis traduções de 1 Reis 19:18

Almeida corrigida e fiel: "Também deixei ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda a boca que não o beijou."

Versão católica: "Mas reservarei em Israel sete mil homens, que não dobraram os joelhos diante de Baal, e cujos lábios não o beijaram.

NVI: "No entanto, fiz sobrar sete mil em Israel, todos aqueles cujos joelhos não se inclinaram diante de Baal e todos aqueles cujas bocas não o beijaram"

Vulgata: "Et relinquam mihi in Israel septem milia: universorum genua, quae non sunt incurvata ante Baal, et omne os, quod non osculatum est eum ”.

Onde 'Et relinquam' é traduzido por "Eu deixei".


Pelo contexto que temos nos capítulos 16,17 e 18 percebe-se claramente que todos aqueles que se manteram fiel ao Deus de Israel foram perseguidos e muitos até deixaram Israel, outros se esconderam, o caso de Elias.  Todo os habitantes de Israel que haviam entrado para o caminho da adoração a Baal seriam destruídos e apenas seriam poupados aqueles que não haviam dobrado seus joelhos. Deus deixou ficar os sete mil fiéis em Israel. Ele não predestinou que eles fossem fiéis.


Como sempre, somente é possível chegar a conclusão que o Augustus Nicodemus e outros calvinistas chega, forçando o texto, o que é definitivamente típico dos calvinistas.


Por: Samuel Fernando
site: http://deusamouomundo.com/
Reações:

58 comentários:

  1. Acho lamentável textos como esse, veiculados na internet. O autor já começa de partida usando o argumento ad hominem, conduzindo a discussão na direção da pessoa e não dos argumentos. Isso não é cristão, ético e muito menos elegante! Estamos cometendo os mesmos erros que foram cometidos nos primórdios da Reforma, quando os reformadores se digladiavam entre si com acusações e ofensas. Um estudante sério e imparcial das Escrituras reconhece que tanto o calvinismo quanto o arminianismo tem pontos em comum e tem bases Escriturísticas, portanto, acho que essa discussão não leva a nada; é resultado do pecado humano e do interesse de defender o próprio "orgulho teológico", ao invés de defender a verdade do evangelho, o que seria muito mais proveitoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você se referiu a "primórdios da Reforma"(sic). E eu pergunto: Qual REFORMA? A "reforma"(sic) de Lutero? A "reforma" de Calvino? Meu amigo, NUNCA HOUVE REFORMA ALGUMA. Lutero foi um antissemita declarado, além de jamais se haver desvencilhado ao romanismo. Calvino possui um histórico de vida lamentável, embora seus partidários sejam incansáveis em ocultar e maquiar tanto quanto possível. Mas a questão central é a seguinte: A IGREJA (IGREJA DE CRISTO) JAMAIS NECESSITOU DE REFORMA ALGUMA!! E isso é óbvio, porque a IGREJA DE CRISTO É PERFEITA!! A Igreja de Cristo é precisamente aquela INSTITUÍDA PELO PRÓPRIO SENHOR DA IGREJA, formada pelos discípulos e apóstolos, lembra-se? Pois bem. Todos os fundamentos da IGREJA DE CRISTO foram claramente expostos na Bíblia, ou seja, na Palavra de Deus. Portanto, o que aconteceu e sempre tem acontecido ao longo da história da humanidade é o APEGO INVETERADO DO SER HUMANO AO PECADO, ÀS TRAPALHADAS, AOS CRIMES, ÀS INVENÇÕES, ÀS BOBAGENS. Por conseguinte, o problema JAMAIS (JAMAIS) foi de "REFORMA" da Igreja, mas de VERGONHA NA CARA dos homens, a criatura de Deus, a fim de que, IMBUÍDOS DESSA VERGONHA NA CARA, tornem aos ensinamentos bíblicos (ENSINAMENTOS BÍBLICOS) maravilhosamente e simplesmente e absolutamente claros expostos na Palavra de Deus. Em outras palavras, ADOTEM UM ESTILO DE VIDA CRISTOCÊNTRICO!! Nada mais, nada menos. "Crê no Senhor Jesus e Serás Salvo, Tu e Tua Casa". "Porque Deus Amou o Mundo de Tal Maneira, Que Deu Seu Filho Unigênito Para Que Todo Aquele que Nele Crê Não Pereça Mas Tenha a Vida Eterna".

      Excluir
  2. ...que salvaçao de que senhores teólogos ?

    ResponderExcluir
  3. Quando os judeus voltam do exilio esses se dividem em varias facçoes(seitas) cada qual com suas míseras ideologias, a que trata um pouco de "salvaçao" é a essénica, na realidade é mais certo dizer libertaçao atraves de um messias ou ungido como seu ancestral rei Davi. Entao pergunto qual judeu ou facçao judaica nao aceitou o messias ? Que na realidade nem o proprio Jesus fala diretamente sobre esse assunto.a salvaçao ou libertaçao é politica gente atos 1.6,7 olha a pergunta que nunca se cala na cabeça dos seguidores que morreram sem ver o acontecimento, e hoje vcs brigam por algo que foi espiritualizado porque supostamente nao se achou explicaçao. PAULO ? SERA QUE NAO MUDOU O FOCO DO KERÍGMA ESPIRITUALIZANDO O QUE NAO ACONTECEU, LANÇANDO MAO DE UMA FILOSOFIA PLATONISTA OU MELHOR HERMETISTA, TIRANDO DO FISICO E LANÇANDO PARA O METAFÍSICO e aí vcs nao explicam e diz que isto é só para os da fé ?

    ResponderExcluir
  4. O messianismo imposto em Jesus é visto na Bíblia, vinda na "revelaçao" ou foi após ser discutido nos grandes concilios ?

    ResponderExcluir
  5. Quanto ao aspecto histórico prefiro ficar com Agostinho, Calvino e Augustus do que com Pelágio, Armínio e você !!!!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Com relação à SALVAÇÃO ou ao mistério da salvação, para se saber como ela se processa, não entendo por que as pessoas se enveredam por "teses matemáticas", teses “malabarísticas”, fórmulas de pretensiosa "erudição" etc., se a Palavra de Deus torna tudo claro aos olhos da criatura, imagem e semelhança d'Ele. Há inúmeras passagens bíblicas segundo as quais para alcançar a salvação é necessário CRER NO SENHOR JESUS. Portanto, "CRÊ NO SENHOR JESUS E SERÁS SALVO, TU E TUA CASA". Nem vou citar os inúmeros outros versículos e pergunto: NÃO BASTA CRER NO SENHOR JESUS? Seria necessária essa "sanha" de paráfrases audaciosamente feitas com a Bíblia? Não é maravilhosamente sensato cumprir o que na Bíblia está determinado por Deus, por Jesus, pelo Espírito Santo? Outro exemplo: "IDE POR TODO O MUNDO E PREGAI O EVANGELHO A TODA CRIATURA. QUEM CRER, SERÁ SALVO..." Ou, como néscios, enveredaríamos por cidades e países "missionarescamente"(sic) pregando NÃO O EVANGELHO, mas "PREGANDO A PREDESTINAÇÃO CALVINISTA, DIGO, AGOSTINIANISTA"?! Tudo indica que o mote dos adeptos do joãocalvinismo é: “SOU CRISTÃO CALVINISTA; SEM CALVINISMO NÃO SOU CRISTÃO; SEM CALVINISMO NÃO CONSIGO SER CRISTÃO; SEM CALVINISMO NÃO POSSO LER A BÍBLIA; SEM CALVINISMO É IMPOSSÍVEL COMPREENDER A BÍBLIA; SEM CALVINISMO NÃO POSSO BUSCAR A DEUS; SEM CALVINISMO SOU FALHO; SEM CALVINISMO SOU SEM ENTENDIMENTO; SEM CALVINISMO VIVO UM CRISTIANISMO ILUSÓRIO; SEM CALVINISMO NÃO TENHO DISCERNIMENTO; SEM CALVINISMO NECESSITO URGENTEMENTE DE SER “REFORMADO”.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante. Calvinismo é um veneno!

      Excluir
    2. Exatamente, mata o sentimento meritocrático humano. Reino de Deus não é democrata, fica dica.

      Excluir
  8. A propósito, sabiam que João Calvino "exorta" pessoas a "PREGAREM A PREDESTINAÇÃO"?! Por inacreditável que pareça, isso está escrito "solenemente" no ensaio literário conhecido como 'Institutas'.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Para João Calvino e seus partidários, NÃO EXISTE SALVAÇÃO; existe ELEIÇÃO PRÉVIA, ANTES QUE O MUNDO FOSSE MUNDO, DESDE A ETERNIDADE. Para João Calvino, NÃO EXISTE FUTURO; o futuro é algo apenas aparente, completamente ilusório, pois que TODAS AS COISAS (absolutamente todas as coisas) JÁ FORAM OU JÁ ESTÃO CONSUMADAS. Você ou qualquer pessoa JÁ NASCEU IMERECIDAMENTE ELEITO PARA O CÉU OU POR SUA PRÓPRIA CULPA CONDENADO PARA MORAR EM ALGUM RECANTO DO INFERNO PARA SEMPRE, embora ISSO, EVIDENTEMENTE, NÃO ESTEJA DESSE MODO ENSINADO NA BÍBLIA.

    ResponderExcluir
  15. Para João Calvino e seus simpatizantes, uma criança com três meses de gestação uterina JÁ TEM SEU DESTINO PREVIAMENTE TRAÇADO: ELEIÇÃO PARA O CÉU OU CONDENAÇÃO PARA O INFERNO! Se essa criança com três meses de gestação uterina MORRER NO VENTRE DA MÃE, seu destino permanece o mesmo, isto é, CÉU ou INFERNO. Com outras palavras, para Calvino e seus correligionários, TODA PESSOA JÁ NASCE ELEITA PARA O CÉU (VIDA ETERNA SEM VONTADE LIVRE E SEM MERECIMENTO ALGUM) OU PREDESTINADA (CONDENADA POR SUA PRÓPRIA "CULPA" OU PLENO "MERECIMENTO") PARA O INFERNO INFINDÁVEL. Repito: salvação SEM merecimento, mas condenação por CULPA EXCLUSIVA DO HOMEM!!

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. O calvinismo implica NÃO CRER NA BÍBLIA COMO UM TODO, implica NÃO CRER NO LIVRO DE TIAGO, capítulo 5, versículos 13 a 18, porquanto assim declara intrépida e "solenemente" o francês João Calvino em sua tese chamada "Institutas da Religião Cristã", da qual os calvinistas, em sua esmagadora maioria, nunca leram nem mesmo o prefácio.

    ResponderExcluir
  22. O calvinismo implica uma mulher cristã que esteja grávida olhar para si mesma, lançar olhos para seu ventre crescido e perguntar-se se o que carrega no útero, pelo milagre da concepção, é um rebento COM A INEXTINGUÍVEL SEMENTE MALIGNA DE SATÃ ou um filho COM A IMUTÁVEL MARCA DA ELEIÇÃO. E, portanto, quer essa criança venha efetivamente a ser expelida do útero com vida, quer se torne um aborto, o calvinismo haverá de inevitavelmente implicar em completo emudecimento tanto da mãe quanto do pai, no que diz respeito àquela passagem bíblica segundo a qual OS FILHOS SÃO HERANÇA DO SENHOR E O FRUTO DO VENTRE O SEU GALARDÃO.

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  28. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  29. A meu ver, a palavra "REFORMA" não faz qualquer ou nenhum sentido. Reforma de quê? Reforma da Bíblia? Reforma da Igreja de Cristo? A Igreja, isto é, a ÚNICA Igreja que verdadeiramente existe, é a Igreja de Cristo, estabelecida e fundada segundo os preceitos CLARÍSSIMOS estampados na Bíblia, ao alcance de QUALQUER pessoa, letrada ou não. Não existe nem REFORMA nem REFORMADOR(es). A Bíblia é e permanecerá sendo sempre a mesma. Deus é o mesmo. Jesus Cristo é o mesmo e a Mensagem Real é a mesma. O que mudou através dos séculos foram as "peripécias" e as maluquices do ser humano, ávido por si mesmo, incontido e embriagado pela vaidade e pelas concupiscências que o carcomem.

    ResponderExcluir
  30. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  31. Você sabia que esse francês de nome João Calvino declara que a Bíblia é um livro enfadonho e aborrecedor, e que a única maneira das pessoas "se livrarem" desse enfado e aborrecimento é LER PRIMEIRO O SEU LIVRO apelidado de 'Institutas da Religião Cristã'? Observem o que ele disse no prefácio (vol. I, pág. 44, formato PDF): "Por essa razão, aliviado será o leitor piedoso de grande aborrecimento e enfado, se à Escritura se achega premunido do conhecimento da presente obra como de um instrumento necessário"(sic). Trata-se de um incrível 'show' de presunção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 44 LIVRO I " Por essa razão, aliviado será o leitor piedoso de grande aborrecimento e enfado, se à Escritura se achega premunido do conhecimento da presente obra como de um ins-trumento necessário. Uma vez, porém, o conteúdo deste tratado, como em espelhos, em tantos comentários meus claramente se reflete, prefiro declarar qual seja esse propósito mediante o próprio conteúdo, a proclamá-lo em palavras.
      Felicidades, leitor amigo, e se destes meus labores colheres algum fruto, ajuda-me com tuas preces diante de Deus, nosso Pai."

      Excluir
  32. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  33. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  34. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  36. O ser humano tende à idolatria, é propenso à idolatria, não consegue viver sem idolatria, não consegue, unicamente pela fé, voltar-se exclusivamente para Deus como Deus, como Espírito Invisível e Todo-Poderoso.

    ResponderExcluir
  37. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  38. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  39. Então, quer dizer que pode o Homem uma criatura caída, ser regenerada e tiver um novo nascimento (não da carne, mas do espirito), "ser uma nova criatura regenerada", que entendemos que é uma obra de Deus, "ela" esta nova criatura regenerada, pode cair da graça, pode desfazer uma obra de Deus?
    Ela por si própria pode rir do evangelho e fazer a cruz de Cristo um escarnio?
    Ela pode desfazer a obra de Cristo, que foi compra-la na Cruz não com coisas corruptíveis como prata ou ouro, mas com o precioso Sangue de Cristo, e simplesmente rir disso e dizer não aceito?
    E colocar Deus como um servo que aguarda a criatura caída torcendo para que ela a aceite? Pode Cristo mendigar a fé de alguem? A fé não é um Dom, de Deus? Que ele da a quem quer?
    Uma criatura, um vaso de barro tem este poder sobre Deus?
    Jesus não diz que só pode ir a ele aqueles há quem seu pai o traz? E estes não podem jamais serem arrebatados da mão dele?
    O Livro da vida e os nomes que estão escritos nele, diz as escrituras que ja não esta escrito desde antes da fundação do mundo? e Nenhum nome pode ser acrescentado ou tirado dele?

    ResponderExcluir
  40. Pode o Espirito Santo tentar convencer alguém e falhar? Esta pessoa não aceitar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo! As respostas as suas perguntas estão na Palavra de Deus!

      Jó 17:9
      "Contudo, os justos e piedosos se manterão firmes em seus princípios e convicções, e os homens justos e sinceros se tornarão cada vez mais fortes."

      Mateus 13:12,33
      "Pois a quem tem, mais se lhe dará, e terá em abundância; mas, ao que quase não tem, até o que tem lhe será tirado."

      João 15:2
      "Todo ramo que, estando em mim, não dá fruto, Ele retira; e todo que dá fruto, Ele limpa, para que dê mais fruto ainda."

      Paulo explica com um exemplo muito simple sobre ter a fé em Cristo (viver, ser agir como Cristão) quando descreve os ramos de uma oliveira. Que mesmo sendo naturais (os judeus, a nação escolhida por Deus) foram cortados ( pois o pouco que tinham foi tirado, por terem recusado ao nosso Senhor e nosso Deus, Jesus Cristo como Salvador) e dessa forma foram e estão sendo enxertados os ramos não naturais (os gentius, nós que não somos judeus, mas nos tornamos filhos de Deus, pela fé em Cristo e gerando frutos dessa fé ao vivermos, agirmos e sermos verdadeiros Cristãos). Porém se não dermos frutos, seremos cortados e o ramo natural poderá também (se tiver humildade ao ter a Fé e se tornar Cristão) ser enxertado com mais aceitação a sua oliveira natural.

      Leia Romanos 10 e 11!

      Que Deus possa falar com você através da Palavra assim como fala comigo! Que Deus o abençoe em seu entendimento!

      Excluir
    2. "17 Se alguns ramos foram cortados, e você, sendo oliveira brava, foi enxertado entre os outros e agora participa da seiva que vem da raiz da oliveira,
      18 não se glorie contra esses ramos. Se o fizer, saiba que não é você quem sustenta a raiz, mas a raiz a você.
      19 Então você dirá: "Os ramos foram cortados, para que eu fosse enxertado".
      20 Está certo. Eles, porém, foram cortados devido à incredulidade, e você permanece pela fé. Não se orgulhe, mas tema.
      21 Pois se Deus não poupou os ramos naturais, também não poupará você.
      22 Portanto, considere a bondade e a severidade de Deus: severidade para com aqueles que caíram, mas bondade para com você, desde que permaneça na bondade dele. De outra forma, você também será cortado.
      23 E quanto a eles, se não continuarem na incredulidade, serão enxertados, pois Deus é capaz de enxertá-los outra vez.
      24 Afinal de contas, se você foi cortado de uma oliveira brava por natureza e, de maneira antinatural, foi enxertado numa oliveira cultivada, quanto mais serão enxertados os ramos naturais em sua própria oliveira?"

      Romanos 11: 17-24

      Excluir
  41. José Rubens Medeiros, você fez várias afirmações interessantes e que creio eu, muitos "calvinistas" não sabem. Algumas coisas devem ser ressaltadas: 1- Você conhece muito bem Calvino e suas obras(ou não? Já leu todas as usas obras?); 2- A suas afirmações sobre o que Calvino fala têm que vir com a referência(qual livro, qual capítulo, qual página etc...) se não será somente acusações de quem não conhece Calvino e o Calvinismo; 3- O Calvinismo não se limita aos escritos de João Calvino(assim como o arminianismo não se limita aos escritos de Armínio); 4- Ao contrário do que você tentou mostrar em suas postagens, Calvino não é Deus, não é endeusado pelos Calvinistas e muito menos tentou atrair sobre si qualquer endeusamento. Ele era um homem tão pecador quanto você e eu e que queria viver uma vida agradável a Deus, como você e eu também queremos; 5- Leia mais um pouco da história e saiba mais sobre quem foi Serveto, o que ele fez e qual foi a postura de Calvino em relação a esse episódio; 6- Rasgue da sua Bíblia os textos que falam sobre a predestinação, eleição e termos relacionados, aí sim você pode dizer que "a sua bíblia" não fala do assunto! Um abraço querido!!!!!

    ResponderExcluir
  42. Paulo Comitre: 01. Quando faço referência a determinados aspectos relacionados ao francês em questão obviamente que a origem é esse próprio cidadão, do contrário eu estaria recebendo "cartas do além". 02. Tais ponderações e assertivas que fiz nos comentários a que você se refere necessariamente teriam de ser inteiramente conhecidas pelas pessoas que a si mesmas se chamam de calvinistas, dado o caráter rudimentar das teses de monsieur Cauvin (João Calvino), e, portanto, não faz sentido eu citar o "nome do livro"(sic), o "número da página" etc. 03. Fiquei perplexo com sua afirmação no sentido de que o calvinismo "não se limita aos escritos de João Calvino". Isso é um completo absurdo. Você estaria querendo dizer que "o calvinismo é complementado pelas teorias de outras pessoas"? Significa, então, que o calvinismo é uma espécie de miscigenação ou de sincretismo literário? 04. Queira, por gentileza, especificar qual das minhas assertivas nos comentários supra, isto é, sobre qual exato tema você opõe sua discórdia, do contrário seu inconformismo torna-se involucrado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito de dês comentários por achá-los sóbrios. Gostaria ter seu contato...nil_o_escolhido@hotmail.com

      Excluir
  43. É sempre muito divertido a triste comédia de "crente" teologistalóódis, argumentando o livro de Romanos. O Rabino Shaul ou para o cristão, Paulo o apóstolo, está em um nível de compreensão muito além de hermenêuticas rasas.

    Primeiro deveriam estudar os pronomes utilizados por Shaul, quando se refere a "vós" e "nós". Somente então, poderiam estudar os profetas e a Torah para depois compreender o apóstolo.

    Parem de estudar o que Roma ou edom ensina nas faculdades teológicas e busquem aprender o hebraico. Mesmo o segundo testamento que vocês insistem em chamar de Novo, foi escrito em hebraico. E ainda insistem em fazer leitura no grego, latim, vulgata (essa inclusive completamente alterada), traduções do ex-padre João Ferreira de Almeida.

    VOLTEM AO CONTEXTO ORIGINAL ANTES DA SEPARAÇÃO DE ROMA. Não adianta ler o segundo testamento sem conhecer PROFUNDAMENTE a Torah e Haftarah (os profetas).
    Absolutamente todo o ensino de Paulo é fundamentado no teu primeiro testamento. Assim, fez Yeshua (Cristo), ensinando a maioria de judeus que o seguia. Sim, judeus como todos discípulos mais próximos, com exceção de Lucas.

    OBS.: onde está escrito a revogação da eleição do povo judeu? Onde Jesus vai voltar? Na França, na Alemanha, risss Estados Unidos?
    A Redenção é primeiro para o Judeu e depois para as nações (gentios). A arrogância do gentio que antes era zambujeiro bravo, em tomar o lugar de Israel é uma aberração no meio cristão. Ainda por cima, dizer que é a Israel Espiritual é inconcebível.

    ResponderExcluir

Esse Blog apóia Samuel Câmara

Esse Blog apóia Samuel Câmara
CGADB PARA TODOS