segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

CARTA DE MARTIN - Uma carta do futuro




Olá, meu nome é Martin, sou brasileiro, mas o meu pai resolveu dar esse nome em homenagem a um grande homem chamado Martin Luter King.
Os tempos que nós cristãos vivemos aqui é bem diferente dos que meus avós viveram. Eu até que cheguei a conhecer os meus bisavós, e como ficava impressionado com as histórias que eles contavam para mim de como era o cristianismo no tempo deles.
Certa vez, o meu bisavô estava contando como o meu avô havia sido desenganado pelos médicos com uma doença terrível. Segundo ele, não havia solução para vida do meu avô, e que pensavam mesmo que ele iria morrer, foi então que eles começaram a clamar a Deus pedindo misericórdia e a cura para o seu amado filho, ou melhor, seu único filho. Nos dias que se decorriam, muitas lágrimas foram derramadas em interseção ao seu filho que a cada dia que passava definhava mais e mais. As esperanças deles já estavam sendo abaladas, e já começavam a pensar na hipótese de ter de enterrar seu único filho sem ter a certeza que Deus pudesse lhe presentear com outro.
Foi então que em uma noite em que estava dormindo, ainda com os joelhos no chão, pois enquanto orava, ele perdeu-se em sono por conta do cansaço, mas enquanto ele dormia Deus trabalhava. Conta-se que o rapaz no quarto teve uma experiência que mudaria sua vida. Contudo, ainda é importante dizer que, esse rapaz não estava mais na igreja, apesar de ter sido criado nela. Entretanto, quando ele chegou a uma idade jovial, envaideceu-se o seu coração, e se deixou levar pelos prazeres carnais que mundo o ofereceu. Pois bem, muita coisa aconteceu até que esse jovem viesse está ali, deitado com uma doença mortal, mas isso é uma história muito longa.
Bem, estava dizendo que esse jovem teria uma experiência que mudaria a sua vida para sempre, segundo ele, enquanto estava na cama tendo muita dificuldade em respirar, pensando mesmo na sua morte e como os seus pais ficariam, notou que o quarto estava sendo tomado por uma paz a qual ele há muito tempo não sentia, e pouca a pouco o quarto que estava meio escuro, estava clareando com uma luz ainda não conhecida dele, foi quando ele notou de imediato a presença de um ser que lhe trazia grande temor, e como que o ser percebesse tal sentimento disse a ele. Não temas! O ser ainda continuou a lhe falar: As orações do seu pai foram ouvidas, e o choro da sua mãe chegou até os autos céus, e é por isso que estou aqui, para lhe curar. Sabemos em que você irá se tornar, e como a sua história irá impactar a muitos. Enquanto o ser falava, ele se aproximava, e quanto ficou bem perto lhe tocou no peito, e imediatamente ele foi curado, e o ser sumiu em um piscar de olhos.
Os anos se passaram, e esse jovem (meu avô) se tornara um pastor bem sucedido que viajava constantemente para conferências e tudo mais. Mas o tempo não para, e junto dele está a constante mudança.
O meu bisavô ainda me contara que o evangelho estava sofrendo muito com falsos pastores e enganadores que usava a fé do povo para se beneficiarem, e assim ficarem ricos. Enquanto isso acontecia que o ministério pastoral que era tão respeitado entre os nãos crentes, caia em descréditos pelos que tinham mais discernimento, prejudicando assim os verdadeiros pastores da sua época. O meu avô conta que quantas vezes o seu pai lhe advertira para que ele não tomasse o mesmo rumo desses pastores gananciosos, e de fato o meu avô ouviu ele, pois a sua vida fora um testemunho vivo do evangelho. 
O meu avô me contou que ele viu Deus fazer muitas coisas tremendas, mas ele notou que com o passar dos anos, as coisas estavam mudando muito rápido, a ponto de muitos pastores não acompanharem o que estavam acontecendo, e os que tentavam compreender tal atualização caíram em uma espécie de antropocentrismo onde os tais achavam que eles poderiam ter a solução. O meu avô disse que tudo isso estava acontecendo, e pouco a pouco os lideres sérios estava lutando com as armas terrenas e dono mais prioridades a elas do que as armas espirituais.
Risos! Ainda me lembro da grande expressão de tristeza transparecida no rosto do meu avô e as lagrimas no canto do olho enquanto me contava resumidamente o que havia acontecido. Segundo ele, o evangelho estava sendo tremendamente atacado pelas mídias e céticos da sua época, ainda se lembra de como a mídia usava a televisão com suas novelas para desmerecer os valores cristãos defendidos pelos evangélicos sérios. Mas novamente ele repetia, estávamos lutando de maneira errada. Ele disse nesse período que houve um número crescente de pastores que estavam deixando o ministério dado por Deus, para se engajarem em uma carreira política, muitos de nós, dizia ele, achávamos que estava fazendo a coisa certa, pois agora teríamos representantes que lutasse pelos valores da família, contudo, muitos se encantaram com a vida política e com os seus benefícios, e muitos ainda não satisfeitos com os seus salários se corromperam.
No plenário defendiam veementemente os valores cristãos, enquanto que por outro lado, saqueavam o cofre publico, abusando do povo brasileiro. Foi então que percebi que muitos deles não eram cristãos, eram revolucionários. Talvez, alguém pergunte: Mas não houve boca de Deus naquela época que pudesse parar com tamanha degradação? Pois é, fora essa pergunta que eu fiz a ele, e ele me respondeu. Até que houve as bocas de Deus que tentaram alertar, mas a maioria do povo não queria escuta-los, os tais foram taxados de radicais, santarrões e ultrapassados. Nós orávamos para que Deus abrisse o olho do povo para a armadilha que satanás havia preparado para nós, mas eles estavam ludibriados pelo fato dos evangélicos terem crescido tanto aqui, foram poucos que perceberam que isso não era um crescimento genuíno, e sim um inchaço. Hoje, a maioria das pessoas desse país é evangélica, mas não vivem o evangelho.
"O pecado, pareceu que não era mais pecado, o errado, pareceu que não era mais errado, havia se tornado tão comum pedir mais um perdão, e parecia que temor não havia mais nos corações." Infelizmente eles não quiseram ouvir. Disse o meu avô com as mãos nos olhos, como que ainda sentisse a dor de ver o que havia acontecido.
O meu pai nasceu nesse contexto, e o meu avô teve todo o cuidado de educa-lo segundo os valores genuínos do cristianismo.
Em sua juventude o meu pai foi um jovem até que exemplar em comparação aos outros, teve as suas derrapadas, mas qual jovem, ainda que esse seja o mais santo da igreja, não deu a sua? Eu ainda, de vez enquanto derrapo, mas sempre procuro evitar. Mas como não estou falando de mim, e sim do meu pai, lembro que o meu avô disse a respeito dele. Segundo o meu avô, quando ele viu certo interesse da parte do meu pai com relação ao ministério, colocou-o em uma faculdade teológica, mas os tempos não eram mesmo bons, pois até as faculdade cristãos havia sido influenciada pelo secularismo, e até hoje é assim, pois estudo na mesma faculdade que estudou o meu pai, na verdade hoje ela é uma universidade.
O meu pai nasceu nesse contexto, e o meu avô teve todo o cuidado de educa-lo segundo os valores genuínos do cristianismo.
Em sua juventude o meu pai foi um jovem até que exemplar em comparação aos outros, teve as suas derrapadas, mas qual jovem, ainda que esse seja o mais santo da igreja, não deu a sua? Eu ainda, de vez enquanto derrapo, mas sempre procuro evitar. Mas como não estou falando de mim, e sim do meu pai, lembro-me do que o meu avô disse a respeito dele. Segundo o meu avô, quando ele viu certo interesse da parte do meu pai com relação ao ministério, colocou-o em uma faculdade teológica, mas os tempos não eram mesmo bons, pois até as faculdades cristãs havia sido influenciada pelo secularismo, e até hoje é assim, pois estudo na mesma faculdade que estudou o meu pai, na verdade hoje ela é uma universidade.
O meu avô observou que tais faculdades eram para formarem pessoas preparadas para o ministério e para vida cristã, entretanto, a ênfase que essas faculdades deram ao estudo usando a razão, abriu grandes brechas para que bebessem de outras fontes. Os professores liberais e com todas as ramificações do liberalismo começaram a serem mais aceitas pela a maioria dos alunos, e entre eles estava o meu pai.
Depois de quatro anos de estudo, o meu pai já liberal, se especializou em filosofia se tornando professor na mesma universidade que estudo, causando grande tristeza ao meu avô. Meu avô sempre me dizia, não fique como seu pai, pois não consigo enxergar fé em seu coração. E de fato o meu avô não estava mentindo, quanto o meu pai era perguntado sobre o grande milagre que Deus fizera na vida do meu avô, logo ele respondia com argumentações "cientificas" ou filosóficas, mas nunca aderia ao sobrenatural.
Pois é, hoje olho para os dias em que vivo, e sou constantemente movido a acreditar mais no meu pai, no que em meu avô. Por quê? Porque não vejo Deus operar maravilhas através da sua palavra como o meu avô falava. Os cultos? Os cultos não parecem cultos, (se é que eu compreendi o que um culto e o que acontecia neles) e sim reuniões. Os pastores? Não parecem pastores, e sim revolucionários que vivem idealizando como devemos fazer e como os políticos erram em não fazer. As pessoas? (que antes eram chamadas de membro) Só sabem aplaudir tais lideres que falem coisas as quais eles se simpatizam mais. Deus? Acho que ele não existe, pois não se falam mais dele nessas reuniões. A Bíblia? Ela agora é interpretada de uma maneira mais materialista e racionalista. Verdade? Não existe verdade, todos podem ter a verdade, pois a verdade depende de cada ponto de vista. Então quando o meu avô diz que quando havia os cultos, pessoas iam à frente chorando reconhecendo o seus pecados e confessando a Jesus Cristo como salvador, e tendo as suas vidas mudadas, isso me soa muito diferente do que eu vejo hoje. Por quê? Ué! O meu avô disse que as prostitutas largavam a prostituição, mas hoje a prostituição é uma profissão legalizada, e muitas delas fazem programa para casais que estejam passando dificuldade no casamento, tanto prostitutas quanto prostitutos. O meu avô disse que os drogados eram libertos e nunca mais usavam drogas dando assim descanso as famílias as quais viviam constantemente com medo da perda dos seus filhos, filhas, maridos... Hoje as drogas (se é que posso chama-las assim) são comercializadas legalmente, e custa uma pechincha, todos podem comprar. Religião? A religião se tornou una.
Olha, eu poderia ficar contando muitas coisas que mudaram aqui, mas acredito que isso vocês sabiam que iria acontecer.
Sobre mim? Se pensarem que eu aderir a esse sistema a qual eu vivo, digo que não, isso só é possível por causa do meu avô e minha avó, pois todas as vezes que converso com eles, ainda que esses não falem sobre a bíblia, e coisas do tipo conseguem sentir uma paz que esse sistema todo não conseguiu dar. É algo diferente, eu não sei explicar, mas às vezes sinto vontade de chorar por só de está perto deles.
Os meus avós ainda oram, e é comovente ver a forma que eles se dirigem a Deus. O meu pai diz que tudo isso é besteira, e logo irei deixar de ouvi-los quando perceber que a realidade não é esse conto de fadas. Ele não sabe, mas estou pensando em pedir o meu avô a me ensinar a orar, para ver se consigo provar mais dessa paz que eles transmitem a mim.
Irei terminar com um pedido, se vocês ai que estão lendo essa carta, podem mudar esse futuro em que eu estou vivendo, peço com lagrimas nos olhos, mudem. Sei que isso é possível, é só vocês serem como meus avós, verdadeiros cristãos que vivem o evangelho genuíno e com certeza as pessoas do meu tempo provarão a verdadeira paz.

Martin.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Esse Blog apóia Samuel Câmara

Esse Blog apóia Samuel Câmara
CGADB PARA TODOS